Sábado, 22 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Última Sessão Averroes do ano motiva reflexão sobre os novos caminhos que a morte pode trazer
Texto: Giulia Afiune | Foto: Akira Tsukamoto
  29/11/2012

A última Sessão Averroes de Cinema e Reflexão do ano exibiu Os Descendentes (2011), de Alexander Payne, na segunda-feira, 26 de novembro, na Cinemateca Brasileira. A obra, vencedora do Globo de Ouro de melhor filme conta a história de Matt King (interpretado pelo também vencedor do Globo de Ouro, George Clooney), um advogado que se vê obrigado a aproximar-se das filhas de 10 e 17 anos quando a esposa, Elizabeth, sofre um grave acidente de barco.

No entanto, Elizabeth deixara um testamento vital (ou diretivas antecipadas) orientando a família e os médicos de que ela não gostaria de ter sua vida prolongada se estivesse à beira da morte.  “As diretivas antecipadas permitem que a pessoa já deixe escrito que chegado o dado momento, a deixem morrer em paz” explicou Márcio Fabri, Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Bioética e membro da Câmara Técnica de Bioética do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.

Fabri compôs a Mesa de Reflexão ao lado de José Eduardo de Siqueira, ex-presidente da Sociedade Brasileira de Bioética e membro do Conselho de Administração da Associação Internacional de Bioética. A mediação ficou por conta de Maria Goretti Maciel, diretora do Serviço de Cuidados Paliativos do Hospital do Servidor Público, membro da Câma Técnica sobre a terminalidade da Vida e Cuidados Paliativos do Conselho Federal de Medicina e ex-presidente da Academica Nacional de Cuidados Paliativos.

Segundo José Siqueira, as diretivas antecipadas são mais aceitas nos EUA, onde o filme se passa. No Brasil, elas não são proibidas, mas a
Resolução do Conselho Federal de Medicina no 1.995/2012  que dispõe sobre o assunto, ainda gera polêmica e precisa de esclarecimentos.

“Como o pai de Elizabeth fala, ‘ela teve o bom senso de escrever isso’. O ser humano tem esse direito, mas a aceitação é difícil porque não é da nossa cultura falar sobre a morte.” Siqueira lembrou a cena em que a melhor amiga de Elizabeth passa maquiagem na paciente em coma. “O filme insiste em mostrar o rosto de Elizabeth. De uma maneira geral, não queremos olhá-la, queremos esquecer a cara da morte. Vê-la parada no leito com uma gaze na garganta faz parecer que aquilo é o fim”.

Vida que engloba a morte
 
No entanto, para Fabri, as diretivas antecipadas são um pretexto para falar da vida que engloba a morte. “Em alemão, há duas palavras para ‘corpo’. Uma delas, körper, exprime a parte física, outra, leben, é como a vida se materializa no seu conjunto naquele corpo”,  explicou. A falência orgânica do corpo não significaria a morte da pessoa, que mesmo sem estar presente mantém lembranças, relações com outras pessoas. “O mundo afetivo, o nosso ambiente, fazem parte da nossa vida. Tudo se entrelaça”.

Para ele, essa relação é traçada no filme por meio do outro dilema que Matt vive enquanto sua esposa está no hospital: a possibilidade de vender um terreno de terra virgem havaiana que ele herdou de seus ancestrais, nativos da terra. A situação de Elizabeth faz Matt pensar sobre o seu direito sobre aquele território. “Ele passa por uma grande crise: ‘Isso aqui não é vendável, isso é vida. Não só a minha, mas de um conjunto de pessoas. Como posso me apropriar disso e fazer disso uma coisa?’”, reflete Fabri.

Para os debatedores, a obra é também uma crítica velada à lógica do sistema capitalista e à morte do meio ambiente. Fabri argumentou que os jovens da trama representam a pós-modernidade por estarem preocupados com coisas materiais e “happy-hours”. Por outro lado, Siqueira lembrou a cena em que a família observava o terreno a ser vendido e a filha de 10 anos, Scottie, questiona a venda da terra pois também gostaria de acampar lá como seus parentes. “Ela diz 'E eu?' Estamos destruindo o planeta e esse legado fica para nossos filhos e netos”.

Nenhum homem é uma ilha

O personagem de George Clooney usa a metáfora do arquipélago para caracterizar sua família. Segundo ele, pai, mãe e as duas meninas fazem parte de um todo, mas são solitários e estão lentamente se afastando. Para Siqueira, esse é o retrato da família moderna. “Cada um tem seu quarto, seu computador, sua televisão. As pessoas vivem na mesma casa, mas só coabitam, não se relacionam”

Contudo, a família de Matt King precisa se unir para enfrentar a situação da mãe, ainda que o pai e a filha mais velha tivessem profundos conflitos com Elizabeth. “Ele faz uma trajetória do ódio ao perdão, ao amor”, reconhece Siqueira, que também percebeu a passagem de Matt, ao longo do filme, pelas cinco fases de aceitação da morte: negação, raiva, barganha, depressão e aceitação.

Para Fabri, essas mudanças fazem parte da vida. “A vida não aparece pronta – o fim do filme representa a reinvenção de caminhos. Nossa dificuldade de lidar com morte é também nossa dificuldade de compreender e construir vida”, pondera.

Ensino da Medicina

De acordo com Siqueira, as escolas de Medicina precisam estimular o estudante a entender a vida do paciente como algo além de sua saúde física.  “O fascínio pelas tecnologias tomou conta do médico e dos pacientes. Estamos formando especialistas em doenças, que não entendem o que é o ser humano - um ser biológico, psicológico e social. Se não olharmos para isso, só veremos doença.”

Para ele, a formação do médico passa também por uma formação de cidadão. Siqueira lembrou a atual onde de violência que atinge a cidade de São Paulo. “O diretor de Os Descendentes nos cutuca e diz: acorda. Não podemos achar natural a morte de 10 pessoas por dia”, disse ele, justificando-se com um trecho de um poema do inglês John Donne “a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano”.

 

Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra; se um torrão é arrastado para o mar, a Europa fica diminuída, como se fosse um promontório, como se fosse a casa dos teus amigos ou a tua própria; a morte de qualquer homem diminui-me, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti.

 John Donne

   


Sessão Averroes de Cinema e Reflexão

Atividade permanente da Cinemateca desde 2009, a Sessão Averroes de Cinema e Reflexão tem o objetivo de refletir, examinar e debater a condição humana, a vida e sua terminalidade sob uma perspectiva multidisciplinar. O projeto foi batizado em alusão ao filósofo espanhol Averroes, considerado um dos pais da medicina.

As sessões são gratuitas e, apesar de destinadas a profissionais e estudantes da área da saúde, também são abertas ao público em geral. Acontecem sempre às 19h da última segunda-feira de cada mês, são precedidas de visita monitorada (17h) por toda a Cinemateca, incluindo a área técnica de restauro, e de um lanche comunitário. Logo após o filme, convidados das mais diversas áreas do conhecimento formam uma Mesa de Reflexão, para debater a obra.

A Sessão Averroes é fruto da parceria entre Cinemateca, Hospital Premier/Grupo MAIS e OBORÉ e, neste mês, conta com o apoio da Faculdade de Medicina de Itajubá, Instituto Paliar e Academia Nacional de Cuidados Paliativos.

Retrospectiva: Sessões Averroes 2012

Outubro:
Cortina de Fumaça, de Wayne Wang

Setembro:
V Ciclo de Cinema e Reflexão Aprender a Viver Aprender a Morrer

Julho: A última grande lição, de Mick Jackson

Junho:
O Piano, de Jane Campion

Maio:
Você não conhece o Jack, de Barry Levinson

Abril:
Copacabana, de Carla Camurati

Março:
Mamãe faz 100 anos, de Carlos Saura

Fevereiro:
Biutiful, de Alejandro Iñarritu

 

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online