Segunda-feira, 26 de Fevereiro de 2024 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Módulo sobre Jornalismo e Conflitos Armados chega ao final com avaliação positiva de estudantes e coordenadores
Texto e Foto: Ruam Oliveira
  04/11/2016

Aconteceu no último sábado (29/10) o encontro de avaliação do curso Repórter do Futuro, módulo Informação sobre Jornalismo em Situação de Conflitos Armados e outras Violências. Além dos vinte estudantes, a equipe de comunicação do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), o chefe de delegação do CICV Lorenzo Caraffi, e a coordenação do curso estavam presentes para a atividade.

“O mais importante é que vocês saiam daqui sensibilizados com o tema”, disse Aldo Quiroga, professor de jornalismo na PUC-SP e coordenador do módulo de conflitos armados há cinco anos. A reunião é parte integrante do programa de curso e é proposta para que os estudantes, juntamente com a coordenação e entidades que o promovem, apontem possíveis erros e acertos.

Cada um dos estudantes fez considerações sobre a percepção que tiveram do curso. Muitos apontaram que a visão que tinham de como atua um correspondente de guerra mudou, destacando que o curso deu uma injeção de ânimo em relação a própria profissão.
“Não há nenhum glamour em ser correspondente de guerra. O jornalismo não precisa de mártires, o jornalismo precisa de jornalistas”, afirmou Aldo Quiroga.

O diretor da OBORÉ e coordenador geral do Repórter do Futuro, Sérgio Gomes, fez uma breve explanação sobre como surgiu o curso e reforçou sobre a importância de que os estudantes tenham curiosidade e cultivem o hábito de ser curiosos. “Não é questão de curiosidade pessoal, mas ter uma preocupação com a situação das vítimas”, disse Sérgio.
Lorenzo Caraffi, chefe de delegação do CICV, fez um paralelo entre o trabalho da Cruz Vermelha e o que é realizado pelos repórteres em uma situação de conflito. “Temos muitos pontos em comum, temos trabalhos bem diferentes e responsabilidades muito grandes”, apontou. Ele destacou que o serviço do CICV é prestar assistência direta às pessoas, enquanto os repórteres estão encarregados de noticiar os fatos ocorridos nestes locais. “Vocês têm uma responsabilidade enorme porque criam percepções”, enfatizou Caraffi. 

Na ocasião, os alunos receberam seus certificados de conclusão do curso. 
 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online