Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Conectas analisa como a falta de transparência do Brasil sobre o comércio internacional de armas pode favorecer os conflitos armados pelo mundo
Clara Assunção
  17/10/2016

Jefferson Nascimento analisa como a falta de transparência do Brasil sobre o comércio internacional de armas pode favorecer os conflitos armados pelo mundo
 
Os altos índices de violência armada interna e externa e a atuação do Brasil no comércio global de armas,  condicionam o país como uma importante peça na discussão sobre o controle de armas no plano nacional e internacional. Para falar sobre o assunto no curso de Jornalismo e Direitos Humanos — módulo do PRF — o assessor de Política Externa da ONG Conectas, Jefferson Nascimento, foi o entrevistado no último sábado, 15 de outubro, e pontuou essa questão alertando para uma maior transparência das políticas internas como uma via de aprimoramento dos direitos humanos.
 
A indústria bélica brasileira fomentada desde a década de 1970, alcança hoje a quarta maior exportação de armas de pequeno porte no mundo. Entretanto, esse comércio acontece sem que se saiba à quais fins esse setor tem favorecido. A única política regulatória do país — Pnemem (Política Nacional de Exportação de Material de Emprego Militar) — além de ser datada do período em que o Brasil vivia uma ditadura (1974), é também inacessível e sigilosa, e de acordo com o assessor, inviabiliza a responsabilização de empresas brasileiras do ramo que podem estar abastecendo conflitos ou governos autoritários e genocidas em outros países.
 
“A grande questão é a falta de transparência de informação a respeito dos fluxos”, afirmou Nascimento. Sem saber para o quê e para quem ocorre o comércio, armamentos brasileiros já foram encontrados em países como Arábia Saudita, Costa do Marfim e Angola, uma clara contradição com relação a postura de paz adotada em esferas internacionais. A violência ocasionada pelo uso de armas de fogo internamente também foi abordada pelo assessor. O Atlas da Violência de 2016 revela que o Brasil tem o maior número absoluto de homicídios no mundo.
 
Nascimento apontou o Tratado da ONU sobre o Comércio de Armas (TCA) como uma forma mais transparente de regulação da compra e venda de materiais bélicos, uma vez que auxiliaria no processo de prevenção do desvio de armas e munições e obrigaria o país a publicar anualmente relatórios detalhados sobre as transferências internacionais. Embora o Brasil configure como um dos países que assinaram esse que é o único acordo global, a ratificação do documento encontra-se desde 2013 parada no Congresso Nacional.
 
Enquanto questionamentos como esse ficam à margem dos olhos da sociedade civil, o gasto mundial com despesas militares chega a 1,679 trilhões de dólares, segundo o relatório anual produzido pelo Stockholm International Peace Research Institut (SIPRI). Com base nesses dados e na comparação também feita pelo instituto, Nascimento revelou que 13% desse valor combateria a fome mundial, 12% seria suficiente para melhorar a educação mundial e 3% ajudaria em questões sanitárias e de água espalhadas pelo globo
 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online