Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Com exibição de "O Quarteto", profissionais da música e da medicina refletem sobre o envelhecimento

  31/07/2014



Realizada nesta quarta (30), na Cinemateca Brasileira, a SESSÃO AVERROES de julho, exibiu a comédia O quarteto, seguida de uma Mesa de Reflexão coordenada pelo músico Ivan Vilela, com participação da médica paliativista Dalva Matsumoto e do músico e compositor Ricardo Matsuda.

No filme dirigido por Dustin Hoffman (2012), um grupo de músicos famosos, agora aposentados, convivem juntos em uma casa de repouso, treinando seus dotes musicais e relembrando os tempos de sucesso. Todos os anos a casa realiza um concerto para recolher fundos para a sobrevivência da instituição. Em uma das celebrações, a harmonia do local é quebrada quando as amizades e os amores do passado voltam com toda carga afetiva.

“Este filme é muito tocante e acaba fazendo nos identificar com o trabalho que realizamos com os pacientes e com os alunos no Hospital Premier, que faz este projeto de músicos atuantes nos hospitais”, afirma Ricardo Matsuda, que leciona prática musical e repertório no Curso de Formação de Músicos Atuantes em Hospitais e Instituições de Longa Permanência do Hospital Premier.

Para Matsuda, “é inevitável fazer uma identificação direta com as questões trazidas pelo filme, como a vaidade, o envelhecimento, a longa permanência, a morte e sobre as relações humanas”.

Segundo Dalva Matsumoto, apesar de o filme abordar experiências de uma população de idosos muito específica – músicos aposentados, entre eles, grandes nomes da ópera - estes exemplos auxiliam a uma reflexão sobre como lidar com o envelhecimento como os profissionais da saúde podem se relacionar com estes pacientes.

“O filme fala justamente disso: como envelhecer com emoções e paixões, já que não é porque envelhecemos eu perdemos estes sentimentos”, completa a paliativista.

Já Ivan Vilela acredita que ninguém inventa sua velhice: “a velhice é simplesmente o resultado do que a pessoas foi e plantou no decorrer de sua vida”, conclui o músico, que coordena, no Hospital Premier, o curso de formação de músicos atuantes nos hospitais.

Com experiência também no mundo acadêmico como pesquisador, Vilela ressalta questões trazidas muito fortemente no filme que é o atributo da vaidade, que curiosamente pode oferecer “coisas muito interessantes como a própria tolerância, o perdão e, no caso do filme, a maneira como o diretor coloca a diversidade de atitudes em cada personagem de uma maneira muito bonita”.

Para Vilela, o Quarteto mostra de uma maneira muito real o que é a velhice e de como cada ser humano consegue lidar com este novo e permanente estágio de sua vida.

Sobre a Sessão Averroes

A SESSÃO AVERROES é destinada a profissionais e estudantes das áreas da medicina e da saúde, e também ao público em geral interessado em questões que tangenciam a vida, a morte, o envelhecimento e os cuidados na terminalidade da vida.

Trata-se de um programa permanente da Cinemateca Brasileira desde 2009, fruto de parceria entre Cinemateca, Hospital Premier/Grupo MAIS e OBORÉ. As sessões, batizadas em alusão a Averroes, considerado um dos pais da medicina, acontecem na última quarta-feira de cada mês, sempre às 19h00. 

A atividade conta com apoio da Faculdade de Medicina de Itajubá, do Instituto Paliar, da Academia Nacional de Cuidados Paliativos e da Coordenadoria de Políticas para Idosos da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania da Prefeitura de São Paulo.      

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online