Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Prof. Eduardo de Siqueira é homenageado com Troféu Averroes no encerramento do VI Ciclo de Cinema e Reflexão
Texto e Fotos: João Paulo Brito
  16/09/2013



O VI Ciclo de Cinema e Reflexão: Aprender a Viver, Aprender a Morrer se encerrou neste domingo (15), na Cinemateca Brasileira, com cerimônia de entrega do Prêmio Averroes ao prof. José Eduardo de Siqueira, seguido de concerto da Ensamble SP Camerata em sua homenagem.

Professor de Clínica Médica e Bioética da Universidade Estadual de Londrina, Siqueira, que integra a Rede Lationoamericana e do Caribe de Bioética da UNESCO, recebeu a premiação devido a seu pioneiro trabalho no campo da bioética e por seu destacado papel na formação de novos profissionais.

“Das mais de 300 escolas de medicina [no Brasil], nós temos apenas duas escolas com a disciplina de Cuidados Paliativos [Faculdade de Medicina de Itajubá e PUCPR], sendo que a realidade demográfica do nosso país demonstra que nós teremos uma população de pessoas idosas com doenças crônicas degenerativas que vão necessitar de médicos com formação humanista e, sobretudo, devotados à causa do cuidar, porque vamos curar muito pouco”, ressaltou Siqueira, em seu discurso.

A maior parte de sua fala foi dedicada em prestar homenagem aos averroistas Manuel Carlos Chaparro, Ausonia Donato, Hildebrando Pereira, Marco Túllio e Eclea Bosi, que receberam em edições anteriores o Troféu Averroes por serem considerados pioneiros e compartilhadores em suas respectivas áreas de atuação.

“O perfil acadêmico de cada um destes que me antecederam no recebimento deste prêmio, evidenciam o quão generosa foi a iniciativa do Hospital Premier e do Grupo MAIS, na pessoa do meu estimado amigo Samir, em colocar-me no mesmo patamar destes extraordinários brasileiros. Farei todo o esforço para honrar esse colegiado de intelectuais que colocaram suas vidas a serviço da humanidade”.

Troféu Averroes

Destinado a pioneiros, compartilhadores e a quem se empenha pela paz e convívio entre povos, culturas, religiões e etnias, o Troféu Averroes – escultura criada pelo artista plástico Jaime Prades - foi entregue ao Prof. Marco Túllio em 2008, na primeira edição do Ciclo de Cinema e Reflexão; no ano seguinte, foi a vez de Ausonia Donato ganhar o prêmio; a edição de 2010, teve como ganhador o médico, pesquisador e professor Luiz Hildebrando Pereira da Silva; em 2011, a pesquisadora, escritora e poetisa Eclea Bosi; e Manuel Carlos Chaparro o recebeu no ano passado.

Averroes foi um médico, filósofo e jurista islâmico, notável por ser o maior redescobridor e divulgador dos pensamentos filosóficos de Aristóteles. Dirigente político, influenciou profundamente o judaísmo e contribuiu para que Al-Andalus (entre Servilha, Cordoba e Marrakech), no século XII, fosse lembrada como símbolo da tolerância e convivência entre diferentes religiões, culturas e povos.

VI Ciclo de Cinema e Reflexão

Neste ano, a sexta edição do Ciclo de Cinema e Reflexão: Aprender a Viver, Aprender a Morrer, realizada na Cinemateca entre os dias 12 a 15 de setembro, teve sua programação composta por filmes que dialogam com o tema central “Ética e Bioética: desafios do nosso tempo”.

O evento foi aberto, na quinta (12), com “Blade Runner , o caçador de andróides”, de Riddley Scott, e, na sequência, uma Mesa de Reflexão com Olga Futemma e Ismail Xavier, com mediação de Kleber Lincoln Gomes.

Também marcou a cerimônia de abertura o lançamento da revista “Prata da Casa 6 – escritas e depoimentos sobre gênese, trajetória e perspectivas do GRUPO MAIS”.

Leia aqui: Blade Runner abriu a programação do VI Ciclo de Cinema e Reflexão: Aprender a Viver, Aprender a Morrer

No segundo dia, José Luiz Del Roio e José Henrique Rodrigues Torres, mediados por David Braga Jr., compuseram a mesa de conversas após a exibição do filme “A Bela que Dorme”, de Marco Bellocchio.

Leia aqui: Diálogo sobre direito à morte marca o segundo dia do VI Ciclo de Cinema e Reflexão: Aprender a Viver, Aprender a Morrer

Por fim, “Amor”, de Michael Haneke, foi a inspiração para o diálogo entre o público e a mesa composta por Mácio Fabri, José Eduardo de Siqueira, sob mediação de Maria Goretti Maciel.

Leia aqui: No terceiro dia do VI Ciclo de Cinema e Reflexão convidados conversaram sobre o cuidado de doentes crônicos

Esta sexta edição do Ciclo, foi promovida pelo Hospital Premier, Grupo Saber MAIS, Cinemateca Brasileira e OBORÉ, com apoio da Faculdade de Medicina de Itajubá, Academia Nacional de Cuidados Paliativos e Instituto Paliar.

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online