Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Neli de Mello-Théry: “Brasil não sabe quem são os donos de suas terras”
Texto: Lais Mendonça/ Fotos: Nivaldo Silva
  20/05/2013



A ineficiência do Estado brasileiro para pensar em políticas e soluções para os conflitos territoriais, o novo Código Florestal e a ocupação na Amazônia foram temas do encontro entre a professora e geógrafa Neli de Mello-Théry com os 25 estudantes do 7º Curso Descobrir a Amazônia – Descobrir-se Repórter, do Projeto Repórter do Futuro, realizado no auditório do IEA/USP – Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, no sábado (18).

A pesquisadora no Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília e professora associada na EACH – Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP acredita que “o Brasil não tem posicionamento em relação à Amazônia”. A afirmação tem como base o sistema falho de registro de terras, a falta de planejamento a médio e longo prazos e a criação de “leis que nascem mortas”.

A geógrafa explica que o Brasil não tem registros de terras, não sabe quem são os donos, portanto, é impossível criminalizar.

O Código Florestal, aprovado em 2012, era uma oportunidade para a legalização de terras e também para propor soluções eficazes para as questões amazônicas, porém, para Neli, o documento não buscou soluções para os conflitos por territórios. Com ele, é perpetuado o contraditório modelo histórico de ocupação do solo amazônico, no qual o posicionamento do governo acaba provocando mais problemas ao invés de oferecer soluções.

Esse foi o mote de uma discussão sobre o futuro do País, caso os passos continuem a serem dados na direção atual. Em especial, devido a recente liberação para o plantio de cana na Amazônia: “O Brasil vai continuar a ser o celeiro do mundo?”, indagou Neli.

No encontro, composto por palestra, conferência e coletiva de imprensa, a geógrafa salientou que apenas a pressão da sociedade para que leis sejam feitas não por interesses pessoais ou de ocasião - ela cita o exemplo da aprovação do Código Florestal às vésperas da Rio+20 - podem modificar o cenário atual de políticas voltadas à Amazônia.

Leia também:

Terras indígenas precisam ser mais respeitadas, diz pesquisador

Ariovaldo Umbelino critica processo de reforma agrária e aponta desrespeito aos povos indígenas

Vídeo: Ariovaldo fala sobre reforma agrária, desenvolvimento econômico e desmatamento na Amazônia

Dívida com Povos Indígenas tem origem na questão agrária

Entrevista: invalidar trabalho de milhares de cientistas por "erro" em relatório é inaceitável, diz Paulo Artaxo

Vídeo: Paulo Artaxo fala sobre vulnerabilidade do ecossistema amazônico em encontro do Repórter do Futuro

Confira a programação completa do curso.

Sobre o curso

O 7º Curso Descobrir a Amazônia – Descobrir-se Repórter, módulo do Projeto Repórter do Futuro, é organizado pela OBORÉ Projetos Especiais em Comunicações e Artes, IEA/USP – Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo e ABRAJI – Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo.

Conta com o apoio/patrocínio do CCOMSEx – Centro de Comunicação Social do Exército, Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de São Paulo, SINPRO/SP – Sindicato dos Professores de São Paulo, NH Photos/Nivaldo Silva, EBC/TV Brasil, Cátedra UNESCO de Comunicação, Hospital Premier/MAIS – Modelo de Atenção Integral à Saúde, INTERCOM – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, IPFD – Instituto de Pesquisa, Formação e Difusão em Políticas Públicas e Sociais, Casa da Cultura Digital, Matilha Cultural, KBR TEC Soluções Online e da Coordenação dos principais Cursos de Jornalismo de São Paulo: ECA/USP – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, ESPM – Escola Superior de Propaganda e Marketing, Faculdade Cásper Líbero, PUCSP – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Universidade Metodista de São Paulo e Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Também emprestam seu prestígio a esta iniciativa: revistas Brasil Atual, Caros Amigos, Fórum, Imprensa, Le Monde Diplomatique Brasil, Piauí, Samuel e o blog “O Xis da Questão – Mídia, Jornalismo e Atualidade”, do Prof. Chaparro.

Equipe de Coordenação:

Ana Luisa Zaniboni Gomes, André Deak, Ausônia Donato, Cristina Cavalcanti, Germano Assad, Guilherme Alpendre, João Paulo Brito, João Paulo Charleaux, Manuel Carlos Chaparro, Milton Bellintani, Nivaldo Silva, Pedro Ortiz, Sergio Gomes

Coordenação Pedagógica:

Pedro Ortiz

Assistência à Coordenação Pedagógica:

Camila Boehm, Camila Moura, Danillo Oliveira, Lais Mendonça, Luana Copini

Secretaria Executiva:

Cristina Cavalcanti

Equipe de Apoio:

Aline Rodrigues, Gabriela Rodrigues, Luciano Bitencourt

Observadores EBC/TV Brasil:

Aline Moraes da Silva, João Pedro Gomes, Pedro Fernandes da Silva Neto

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online