Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  'Em tempo de guerra nem tudo é permitido', afirma Gabriel Valladares na 2ª conferência do módulo Conflitos Armados, do Repórter do Futuro
Texto: Giulia Afiune/ Fotos: Nivaldo Silva
  25/08/2012

O assessor jurídico do CICV explicou as regras que limitam a atuação em conflitos armados, o Direito Internacional Humanitário

 

O assessor jurídico do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), Gabriel Valladares, fez um painel sobre o Direito Internacional Humanitário, as regras e limites que os grupos em conflito devem respeitar em situações de guerra, na segunda conferência de imprensa do XI Curso de Informação sobre Jornalismo em Conflitos Armados e Outras Situações de Violência, no sábado, 25 de agosto. O curso é promovido pela OBORÉ em parceria com o CICV e a Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

O Direito Internacional Humanitário (DIH) é aplicado apenas em situações de conflito armado. “O Conflito Armado internacional existe quando há enfrentamento das forças amadas de pelo menos dois estados. Em alguns casos nem é preciso disparar armas, como aconteceu quando o Marrocos reivindicou a Ilha de Perejil, que era da Espanha”, contou. Ele informou que alguns militares marroquinos invadiram o território e se renderam quando chegou o Exército espanhol, tornando-se prisioneiros de guerra que logo foram libertados.  

 
Segundo um vídeo exibido durante a conferência, a regra básica do DIH é poupar a vida de quem não está em combate. “É melhor usar o termo não-combatentes porque ele inclui civis, detidos, prisioneiros de guerra, feridos e doentes”, ensinou Valladares. Essas diferentes categorias foram sendo incluídas nas Convenções e Protocolos de Genebra, que compõem o DIH, entre 1864 e 2005. “As normas internacionais melhoraram e se ampliaram”, observou. 



O Direito Internacional Humanitário limita também os métodos e as armas usadas na guerra, como as minas anti-pessoais e as munições cluster, por exemplo. “Quando é lançada, a munição cluster pode dispersar cerca de 600 submunições, que atingem uma área de 30 mil metros quadrados. Se ela é jogada em uma cidade, é impossível que não morram civis”, contou. Além disso, ele informou que uma parte das submunições não explode e fica no terreno, o que é um grande risco principalmente para crianças. Por isso, o CICV fez uma grande campanha para proibir essas munições, o que resultou em um Tratado de Dublin, adotado em 2008 por 107 Estados.

 
Quando estão paz, os países devem respeitar a Declaração Internacional dos Direitos Humanos. Já em situações de conflito armado interno, como ocorre na Colômbia, por exemplo, as partes envolvidas também devem obedecer a regras previstas no Direito Internacional Humanitário, encontradas no Artigo 3º comum às quatro Convenções de Genebra e no Protocolo Adicional II, de 1977.  

 
Valladares afirmou que muitas vezes o problema não é a existência de normas para regular os conflitos. “Em muitos casos, o que falta é a vontade política de respeitar o DIH”, criticou.

 
Para estimular o cumprimento das regras, ele destacou a responsabilidade dos jornalistas de informar adequadamente quando cobrem conflitos armados. “[O Jornalismo] é uma arma poderosa se bem utilizada. O trabalho de vocês é muito importante. Se podem informar com a verdade, ajudam inclusive a proteção das vitimas da guerra.”


Programação:

1° de setembro

8h30 – Coronel André Vianna, da reserva da Polícia Militar de São Paulo, sobre as normas internacionais aplicáveis à função policial no uso da força e de armas de fogo.
Local: Centro de Imprensa/Redação Escola da OBORÉ

15 de setembro

8h30 – Cláudia Antunes, ex-repórter especial do jornal Folha de S. Paulo, atualmente, repórter da revista Piauí, sobre a cobertura de conflitos armados e outras situações de violência.
Local: Centro de Imprensa/Redação Escola da OBORÉ

29 de setembro

8h30 – Cerimônia de encerramento
Exposição de Reginaldo Nasser, professor do Departamento de Relações Internacionais da PUC-SP, sobre a cobertura jornalística de política externa brasileira, além dos atores tradicionais.
Local: Câmara Municipal – Auditório Sérgio Vieira de Mello (Viaduto Jacareí 100 – Bela Vista Sao Paulo)

Aconteceu:

04 de agosto - Com palestra de Felipe Donoso, chefe da Delegação Regional do CICV, dezenas de estudantes se reuniram na Matilha Cultural no encontro de seleção para o módulo Jornalismo em Situações de Conflito Armado.

18 de agosto - O tenente-coronel Sergio Ricardo Curvelo Lamellas, Oficial do Centro de Comunicação Social do Exército (CCOMSEx), falou sobre a relação do Exército com a imprensa e a atuação das tropas militares no Haiti.

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online