Quinta-feira, 27 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Militares brasileiros no Haiti são tema da primeira conferência de imprensa do XI Curso de Informação sobre Jornalismo em Conflito Armado
Texto: Giulia Afiune/ Fotos: Nivaldo Silva
  21/08/2012

Na primeira conferência de imprensa do XI Curso de Informação sobre Jornalismo em Conflito Armado e Outras Situações de Violência, realizada sábado, 18 de agosto, o tenente-coronel Sérgio Lamellas falou sobre a relação do Exército com a imprensa e sobre a presença militar brasileira no Haiti, integrando a MINUSTAH (Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti). Como oficial de Estado-Maior, Lamellas foi chefe da comunicação social do 2° Batalhão de Infantaria de Força de Paz no Haiti (BRABATT 2), entre 2011 e 2012.

O curso, promovido pela OBORÉ em parceria com o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) e realizado no âmbito do Projeto Repórter do Futuro, tem como coordenador pedagógico o jornalista João Paulo Charleaux e se estende até 29 de setembro, contando com mais quatro conferências/coletivas de imprensa.



Tenente-Coronel Sergio Lamellas fala sobre a Missão de Paz no Haiti. 

MINUSTAH

A MINUSTAH foi instalada em 2004 e possui diferentes frentes de trabalho. Lamellas informou que o Exército brasileiro opera na área de patrulhamento, engenharia e ajuda humanitária. Apesar de estar há 8 anos no país, a Missão de Paz ainda não tem data para acabar. “O país já estava sendo estabilizado, quando aconteceu o terremoto [em janeiro de 2010], que atingiu todo centro político e administrativo do Haiti em Porto Príncipe”. O tenente-coronel contou que somente agora o país está voltando a ser estável. O acordo para a presença da Missão de Paz no país será novamente discutido em uma reunião dos seis países que compõem o Conselho de Segurança da ONU mais o Haiti, em outubro deste ano.

Apesar de não haver prazo para a retirada das tropas, o Exército brasileiro está diminuindo seu efetivo no Haiti. Segundo Lamellas, em 2012, 280 homens deixaram o país. No entanto, oficiais brasileiros ocupam altos cargos na MINUSTAH, como o General Goulart, que chefia o componente militar da Missão de Paz.


Alunos e coordenação conversam sobre o resultado da primeira conferência do curso.

Resultados e críticas

De acordo com Lamellas, a MINUSTAH já conseguiu reduzir os índices de criminalidade da capital haitiana, Porto Príncipe. A Missão de Paz classifica o perigo nas regiões da cidade por meio das cores verde, amarelo e vermelha, em ordem crescente de risco. “As únicas áreas da cidade que eram vermelhas, Bel Air e Cite Soléil, hoje são amarelas”, contou. Lamellas disse que a maior favela do Haiti, Cite Soléil já está pacificada. De acordo com ele, hoje só há gangues que fazem assaltos, tráfico de drogas e contrabando de forma pontual, não mais os grupos articulados que existiam em 2004.

Com um efetivo de10 a12 mil oficiais, a Polícia Nacional do Haiti (PNH) está se fortalecendo e recebe treinamento da Polícia da ONU, relatou Lamellas. Contudo, este número ainda é inferior ao efetivo total de pessoas na MINUSTAH, cerca de 12 mil, dos quais em torno de 2 mil são brasileiros.

A presença militar no Haiti é alvo de muitas críticas, tendo em vista que uma série de abusos de força já foram noticiados. “Se isso acontecer, o militar é repatriado e uma investigação sobre o caso é aberta”, respondeu Lamellas a uma das perguntas feitas pelos estudantes sobre o assunto. Ele acrescentou que nenhum militar brasileiro foi repatriado.

Em relação aos movimentos que reivindicam a saída das tropas brasileiras do país caribenho, Lamellas afirmou que não poderia se pronunciar. “Nós não nos envolvemos na área política”.

Relação do Exército com a Imprensa

Segundo Lamellas, a missão do CCOMSEx (Centro de Comunicação Social do Exército) é preservar e fortalecer a imagem do Exército. Para isso, eles buscam se aproximar dos profissionais de imprensa, realizando cursos, fornecendo informações e promovendo viagens para os formadores de opinião. Um exemplo é a 6ª Viagem de Estudos e Reportagens à Amazônia, da qual participaram os estudantes do 6º Curso Descobrir a Amazônia, Descobrir-se Repórter, do Projeto Repórter do Futuro.

Lamellas também mostrou o que devem fazer os jornalistas que querem conhecer a Missão de Paz acompanhando as tropas brasileiras. Os brasileiros devem procurar o CCOMSEx ou a assessoria de comunicação do Ministério da Defesa e informar a pauta. A partir daí, esses órgãos irão avaliar o caso e o jornalista entrará em uma fila de interessados. Uma vez lá, o jornalista terá um roteiro preparado para que possa cumprir sua pauta.

Confira a apresentação de slides do ten. cel. Lamellas

Programação:

25 de agosto
8h30 – Gabriel Valladares, assessor jurídico do CICV, sobre as normas aplicáveis em conflitos armados e outras situações de violência e as contribuições do CICV.
Local: Centro de Imprensa/Redação Escola da OBORÉ

1° de setembro
8h30 – Coronel André Vianna, da reserva da Polícia Militar de São Paulo, sobre as normas internacionais aplicáveis à função policial no uso da força e de armas de fogo.
Local: Centro de Imprensa/Redação Escola da OBORÉ

15 de setembro
8h30 – Cláudia Antunes, ex-repórter especial do jornal Folha de S. Paulo, atualmente, repórter da revista Piauí, sobre a cobertura de conflitos armados e outras situações de violência.
Local: Centro de Imprensa/Redação Escola da OBORÉ

29 de setembro
8h30 – Cerimônia de encerramento
Exposição de Reginaldo Nasser, professor do Departamento de Relações Internacionais da PUC-SP, sobre a cobertura jornalística de política externa brasileira, além dos atores tradicionais.
Local: Câmara Municipal – Auditório Sérgio Vieira de Mello (Viaduto Jacareí 100 – Bela Vista Sao Paulo)

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online