Segunda-feira, 17 de Janeiro de 2022 Pesquisa no site
 
A OBORÉ
  Abertura
  Histórico
  Missão
  Frentes de Trabalho
  Parceiros
  Prêmios
  Fale Conosco
  Galeria de Fotos
Núcleo de Rádio
Núcleo de Cursos
Núcleo de Gestão da Informação
Notícias
Atividades Especiais
  Transporte na região metropolitana foi tema da primeira coletiva do módulo sobre São Paulo do Projeto Repórter do Futuro
Texto: Giulia Afiune Foto: Camila Moura
  26/01/2012

O segundo encontro do módulo Descobrir São Paulo, Descobrir-se Repórter teve como tema Transporte e Mobilidade Urbana e contou com a participação do ex-Secretário Municipal dos Transportes Frederico Bussinger. Também estiveram presentes o vereador Ricardo Teixeira (PV) e o jornalista Evandro Spinelli, da Folha de S. Paulo.  

Bussinger, que já foi Presidente da SPTrans e da CPTM, começou esclarecendo a relação entre o transporte e o bom funcionamento da cidade. “A mobilidade não se refere só a pessoas, também envolve bens, serviços e informações. A saúde da cidade depende da circulação dessas coisas” informou.

Para o ex-Secretário, um dos principais fatores que dificulta essa dinâmica é a falta de planejamento logístico. “O Brasil concentra grande população, grande território e grande economia. Estando nessa condição, a logística é um fator crítico de sucesso. Mas essa questão não está na nossa agenda, os governos não entendem do que se trata”. O engenheiro deu um exemplo: 46% dos caminhões que andam em São Paulo estão vazios. “Os caminhões consomem combustível, consomem espaço viário, emitem mais e são ociosos. Isso diz respeito à organização, não apenas à tecnologia”, considerou.

Bussinger relacionou essa dificuldade à adoção de um modelo rodoviarista para o transporte brasileiro. “O único modo de transporte auto-suficiente é o rodoviário. Você pode transportar qualquer coisa para qualquer lugar. Outros modos, como hidroviário e ferroviário dependem do rodoviário para chegar ao fim da linha” explicou o engenheiro. A contrapartida desse modelo é a poluição ambiental. Segundo relatório do Plano Estadual de Mudanças Climáticas, no mundo, as emissões de carbono advindas do transporte correspondem a 13% do total. No Brasil, o transporte emite 42% do total de carbono.  “Nós temos uma matriz de transporte mais suja pois 60% do transporte no país é feito pelo modelo rodoviarista. No caso de São Paulo, esse número salta para mais de 90%”, informou.

O ex-Secretário afirmou que é possível mudar essa matriz. Um exemplo é a estratégia europeia para um sistema único de transportes europeu, plano lançado em março de 2011. “Para atingir competitividade e eficiência, o objetivo do plano é cortar 60% das emissões de carbono na área de transportes.  Uma das medidas a serem tomadas é a substituição de 50% do transporte de passageiros e carga do modelo rodoviário para o ferroviário e o hidroviário, mais eficientes do ponto de vista energético e de menor impacto ambiental”, explicou Bussinger.  “O Brasil precisa ser o dobro mais eficiente em termos de emissão de carbono do que é hoje. Isso envolve tecnologia, combustível e organização”, acrescentou.

Bussinger afirmou que mudanças já estão ocorrendo. “Desde o início deste século, a hidrovia cresceu sustentadamente 12% ao ano em São Paulo”. A construção de um hidroanel na cidade também foi uma proposta apresentada pelo engenheiro. “Se você pegar os rios Tietê e Pinheiros e as represas Billings e Taiaçupeba, você precisa de um canal de 25 a 30 km para formar um hidroanel de 186 km em São Paulo. A segunda surpresa é que esse hidroanel, o rodoanel e o futuro ferroanel, se cruzam em três pontos diferentes”. Para Bussinger, o transporte de lixo, por exemplo, poderia ser feito por embarcações em vez de caminhões, o que melhoraria o trânsito na capital. “Muitas vezes encontramos soluções em outros aspectos da organização da vida na cidade. Temos que pensar no conjunto dessas variáveis e não tratar isoladamente de cada uma delas”, ele considerou.

Cidade Compacta

Bussinger apresentou a articulação dos sistema hidroviário, ferroviário e rodoviário de São Paulo como uma possibilidade para otimizar o transporte na cidade. O projeto SP 2040, da Prefeitura de São Paulo em parceria com outras instituições, coloca metas para a melhoria da cidade para os próximos 28 anos. Um dos objetivos é a cidade compacta, ou seja, a reorganização da cidade de modo que a população possa chegar a qualquer lugar de que necessite em, no máximo, 30 minutos.

“Será que o problema é o transporte ou onde estão as coisas na cidade?”, provocou o repórter Evandro Spinelli em sua fala. Para o vereador Ricardo Teixeira, ambos os aspectos são relevantes para pensar a mobilidade. Ele defendeu a proposta da cidade compacta. “A saída para os grandes centros é a distritalização da cidade. Temos que morar perto de onde a gente trabalha, estuda e se diverte. Não dá pra tirar uma pessoa lá do Itaim Paulista todos os dias e fazê-la percorrer 30 km até Santo Amaro para trabalhar.” Além do rodoanel e do metrô que atingem diversos pontos da cidade, Teixeira destacou a importância de pulverizar a oferta de infraestrutura para que isso aconteça. “A iniciativa privada já percebeu isso.  Hospitais, universidades, centros comerciais já estão se espalhando. Mas o poder público tem que acelerar essa transformação”, recomendou o vereador.

A 5ª edição do módulo sobre a cidade, promovida pela OBORÉ em parceria com a Câmara Municipal, teve início dia 17/12/2011 e contou com a presença do professor Carlos Chaparro, livre docente da ECA/USP. Dirigido a estudantes de jornalismo e profissionais da comunicação ligados aos gabinetes dos vereadores, o curso prossegue até 14/4, no auditório Oscar Pedroso Horta da Câmara Municipal. Neste sábado, dia 28 de janeiro, o tema Habitação será apresentado pelo arquiteto e urbanista Ciro Pirondi, diretor da Escola da Cidade.    

Confira a cobertura completa do curso no site laboratório do Projeto. 




Material de apoio 

"Mobilidade e Logística na Região Metropolitana de São Paulo" 

Parte 1

Parte 2

Parte 3

Parte 4

Parte 5
  

Sobre o módulo Descobrir São Paulo, Descobrir-se Repórter

O objetivo do módulo Descobrir São Paulo, Descobrir-se Repórter é promover a investigação dos oito principais problemas da cidade de São Paulo por jovens estudantes de Jornalismo. São eles: Desenvolvimento sustentável; Educação; Emprego e Renda (Trabalho); Habitação; Meio Ambiente, Lixo e Saneamento Básico; Saúde; Segurança Pública e Violência; Transporte e Mobilidade. A partir de 21 de janeiro, os alunos terão encontros semanais para discutir cada tema. Todos os sábados, até março, serão realizadas entrevistas coletivas com especialistas, vereadores e jornalistas que investiguem o assunto. Ao final do módulo, os estudantes deverão produzir e publicar uma grande reportagem sobre um dos temas. O módulo integra as atividades do Projeto Repórter do Futuro e é uma realização da OBORÉ em parceria com a Câmara Municipal e a ABRAJI (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo).


Acompanhe a cobertura completa do módulo no
site- laboratório do Projeto Repórter do Futuro

Na foto de Camila Moura, da esquerda para a direita: Evandro Spinelli, Milton Bellintani, Fred Bussinger e Ricardo Teixeira.  

 
 
 
   
  » Indique essa página a um amigo
 
 
 
Avenida Paulista, 2300 | Andar Pilotis | Edifício São Luis Gonzaga | 01310-300
São Paulo | SP | Brasil | 55 11 2847.4567 | (11) 99320.0068 |
obore@obore.com

Desenvolvimento

KBR Tec - Soluções Online